DIREITOS AUTORAIS: Lei 9610/98

Você gostou dos textos? Deseja copiá-los?

Então, leia o texto abaixo com atenção antes de copiá-los.

Todos os textos assinados fazem parte de livros de minha autoria com Direitos Autorais registrados nos órgãos competentes, portanto:

*************************

Cópia autorizada para publicação em páginas sem fins lucrativos, desde que acompanhadas dos créditos autorais e de um link direcionando para este blog ou para onde os livros estão sendo negociados. Estão proibidas a reprodução dos textos em fóruns de discussão e páginas que se utilizem de programas afiliados e Adsense, bem como exibam banners e links comerciais.

Boa leitura!!

terça-feira, 22 de abril de 2014

Será mesmo o acaso...?


Será mesmo o acaso...?

Particularmente, nunca acreditei em acasos. Creio que podemos mudar o rumo de nossas vidas, mas não acredito em coincidências. Entendo que a maneira como conduzimos nossas vidas e pensamentos nos ajudam a termos uma vida melhor ou pior, a nos associarmos a pessoas boas ou más, alegres ou depressivas, honestas ou desonestas.
Os adeptos da teoria da atração acreditam que podemos dar forma e vida a nossos pensamentos e desejos mais íntimos. Acreditam que um grande passo para se conseguir o que se deseja é em primeiro lugar, acreditar que é possível e em seguida fazer com que se realize através de atitudes positivas e concretas, ou seja: não basta querer, é preciso criar mecanismos para que se realize.
Durante muitos anos vivi essa situação. De um lado tinha uma família constituída, filhos crescidos e com suas próprias vidas, netos lindos e amorosos. Aparentemente tinha tudo para ser feliz, mas não era. Meu casamento havia acabado há muito tempo e durante anos não busquei um novo amor.
O tempo foi passando e senti a necessidade de encontrar alguém que me completasse, que me amasse e me fizesse feliz. Comecei a dar forma à mulher que reuniria os atributos que pudessem se enquadrar na mulher perfeita para mim.
Quando vi a Camila pela primeira vez, percebi que minha busca poderia ter chegado ao fim e ao longo dos dias e noites em que conversamos conclui que ela era a mulher pela qual eu tanto havia esperado.
Por isso não digo que tivemos um encontro, mas um reencontro, pois ela já morava em minha mente e em meu coração e aguardava apenas o momento em que a vida nos reuniria para retomarmos de onde paramos.

Certamente não foi o acaso quem nos reuniu, mas foi o nosso amor que nos uniu. Creio que nossa história não começou nessa existência, mas sim em anteriores e por algum motivo que, no presente, desconhecemos, ficamos separados por um breve período, mas que agora seguiremos em frente, nos amando e nos entregando intensamente a esse amor eterno.

Ben Baruch

Nenhum comentário:

Postar um comentário