DIREITOS AUTORAIS: Lei 9610/98

Você gostou dos textos? Deseja copiá-los?

Então, leia o texto abaixo com atenção antes de copiá-los.

Todos os textos assinados fazem parte de livros de minha autoria com Direitos Autorais registrados nos órgãos competentes, portanto:

*************************

Cópia autorizada para publicação em páginas sem fins lucrativos, desde que acompanhadas dos créditos autorais e de um link direcionando para este blog ou para onde os livros estão sendo negociados. Estão proibidas a reprodução dos textos em fóruns de discussão e páginas que se utilizem de programas afiliados e Adsense, bem como exibam banners e links comerciais.

Boa leitura!!

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Chuva de outono

 Chuva de outono

Durante o nosso afastamento, dia a dia o meu sofrimento aumentava. Não poder estar ao seu lado para dizer o quanto a amo era um tormento indescritível, não ouvir a sua voz e não poder te desejar um bom dia ou boa noite produziam em mim uma dor insuportável.
O dia seguinte à sua partida era o dia que havíamos marcado para nos encontrar e nos amar.
Sabendo do meu sofrimento a natureza decidiu, naquele dia, demonstrar que era solidária diante de minha dor e o Sol que, até o momento de sua partida, brilhava intensamente, brindando-nos com seu calor e beleza, simplesmente desapareceu e uma chuva caiu torrencialmente, como desejando carregar por entre suas gélidas águas as lágrimas da minha dor, armanezadas em minha alma apaixonada e carente da sua presença.
Fiquei admirando a chuva cair e no mesmo instante em que meus olhos lacrimosos se fecharam, me transportei em pensamento para onde vocêestava. A visão era tão nítida, tão real que eu podia sentir o calor de sua presença invadir o meu corpo em torrentes de amor e desejo.
Ainda com os olhos fechados, pude vislumbrar o que poderíamos estar vivendo naquele instante. O local que havíamos escolhido, o seu corpo junto ao meu, seus lábios procurando os meus, nossas línguas se tocando e produzindo em nós uma sensação inigualável de prazer e amor. Nossas mãos inquietas procurando se desvencilhar das roupas que estávamos vestindo e tão logo nos despimos a tomei em meus braços e a amei com tanta volúpia que perdemos a noção do tempo e do espaço que ocupávamos.
Quando terminamos, exaustos deitamos, sem deixarmos de nos beijar e demonstrar o nosso infinito amor. Acariciava seu corpo, quase inerte, e com a ponta dos dedos percorria cada centímetro, provocando intensos arrepios, que comprovavam que em breve nos amaríamos novamente.
Abri os olhos e me vi sozinho, contemplando a chuva e pedindo ao Eterno que a protegesse e a abraçasse, demonstrando que apesar das lutas e da distância que nos separava Ele estaria sempre ao teu lado te dando a certeza de que a criou especialmente para ser a minha amada e nos destinou para sermos um do outro eternamente.
Fechei as janelas do meu quarto e procurei em vão descansar. Queria dormir e contigo sonhar, mas a saudade e a dor falavam mais alto, mas uma esperança alentava meu coração: cada segundo vivido diminuía o tempo da minha espera e aproximava o momento de nosso reencontro, que quando acontecesse seria a mais linda demonstração de nosso amor, uma verdadeira explosão de sentimentos invadiria a tudo e a todos à nossa volta e traria de volta a nossa alegria.
Aquela chuva de outono não trouxe apenas tristezas, mas também alegrias por saber que tenho você e que nada pode nos separar.
Ben

Nenhum comentário:

Postar um comentário